segunda-feira, 6 de junho de 2011

Como eu sou um girassol, você é meu sol



(Escrito dia 08 de Agosto de 2010)

Sempre achei o dia dos pais normais,  exeto pelo abraço forte e as poucas palavras que eu te digo, quase decoradas por ser sempre assim todos os anos. Me sinto mau por nunca poder te presentear materialmente, por isso quando te abraço tento passar carinho por ser a única coisa a te oferecer agora.

Pai, foi preciso estar longe agora, pra notar o quanto eu sinto por não poder te abraçar no teu dia. Por não poder te dizer pessoalmente Feliz Dias dos Pais. Sei que é sempre isso que tu ouve de mim todos os anos, mas eu sinto muito por nunca conseguir te dizer mais.
Por não conseguir dizer que eu te quero do meu lado a minha vida inteira, dizer que já tentei me imaginar sem ti do meu lado, e não consigo não chorar quando faço isso.  Dizer que tu é meu porto seguro, a minha certeza. 

Pai, sei que é demais isso que vou dizer agora, mas eu desejo todos os dias que eu vá antes. Antes que esses teus cabelos brancos não estejam mais aí, antes que não esteja mais a cúia do chimarrão encima da mesa e nem os teus foguinhos no inverno,  o teu copo de caipirinnha e o teu prato sujo de feijão quando lavo a louça pra mãe.  Coisas simples, mas que tem um significado enorme porque é tu que faz.

Obrigada pela boa educação, pelas chineladas que eu sempre mereci. Obrigada por me ensinar a gostar das corujas e a olhar as estrelas. Nunca te disse isso, mas a minha tatuagem de estrela que tenho no braço é você.  É pelas noites que tu dedicou a me contar historias e a todas as simpatias que tu fez comigo. Não sei o que tu pedia as estrelas quando estávamos  lá, mas eu via no teu olhar  que elas tinham um significado maior pra ti do que pras outras pessoas.  Se era  isso que tu queria me passar, obrigada, porque me sinto diferente quando olho pra elas, me sinto especial, é como se tu estivesse dentro delas, de todas elas, me dizendo que não importe o que aconteça tu vai estar sempre lá, antes do sol nascer e depois dos dias de chuva.

Obrigada por tudo MEU PAI. E desculpa por todo mau que te fiz sentir.
Da tua nítia.


"Eu tento me erguer às próprias custas e caio sempre nos seus braços.
Um pobre diabo é o que sou.
E eu jurei por Deus não morrer por amor e continuar a viver
Como eu sou um girassol, você é meu sol."

Um comentário:

  1. Acompanhei o desenvolvimento do texto.Bastante sentimento.Bom mesmo!

    ResponderExcluir